Raiva

A Raiva, assim como o medo, é uma emoção básica que aparece quando nos sentimos ameaçados, seja por razões reais ou imaginárias. Podendo ser desencadeada ainda por preocupações excessivas ou memórias de acontecimentos traumáticos. Sendo assim, podemos entender que a raiva não é um sentimento necessariamente ruim ou destrutivo. Ela pode por exemplo nos impulsionar a lutar por aquilo que acreditamos ser o justo, como veremos a seguir. Essa emoção é um dos vários modos que temos de responder ao mundo e aos acontecimentos que se dão em nossa vida. Ela pode aparecer principalmente em momentos em que sentimos nossas certezas serem ameaçadas, ou acreditamos que estamos sofrendo alguma injustiça. Ou seja, se algo que você não considera correto ou justo acontece, há uma grande chance de você sentir raiva diante desse acontecimento. Porém, apenas o fator externo não é suficiente para desencadear uma emoção e um episódio de raiva. Se fosse assim, responderíamos sempre da mesma maneira quando um fator externo se repetisse. Mas o surgimento desse sentimento depende também da nossa interpretação dos fatos. Por exemplo, podemos sentir raiva quando uma pessoa fala de maneira grosseira conosco em um momento, porque interpretamos aquele gesto como algo pessoal contra nós, mas podemos não sentir raiva diante de uma fato parecido que aconteça em outra situação, porque de alguma forma entendemos que a pessoa em questão agiu assim por questões ligadas somente a ela, e que essa atitude não teve a ver conosco. Esses são apenas dois exemplos das várias possibilidades de interpretações que podemos fazer diante dos fatores externos. E por isso, podemos dizer que esses fatores, isoladamente, não podem nos causar raiva.

Geralmente associamos o sentimento de raiva ao descontrole, quando, ao sentir raiva, agimos de maneira agressiva. Sentir raiva não é bom, nem ruim. É comum sentir todo tipo de emoção e a raiva aparece como uma resposta nossa ao percebermos que estamos sendo atacados ou injustiçados. Inclusive por isso, o nosso corpo reage fisiologicamente quando passamos por essas situações, aumentando nossos batimentos cardíacos e transpiração, tornando nossa respiração mais pesada e até alterando nosso sistema digestivo. Tudo isso para nos gerar mais energia para lidar com a situação de ameaça.

A questão está então, na maneira como lidamos com esse sentimento, como respondemos a ele. E para lidar com os sentimentos, é preciso primeiramente aceitá-los, para então trazê-los para o campo da reflexão. Julgar que sentir raiva, por si só, é algo ruim, nos impede de olhar para esse sentimento. Assim como ficar buscando um culpado para o que estamos sentindo nos impede de compreender o sentido que essa emoção tem para nós. É preciso aceitar que o que sentimos é nosso, e não do outro, pois se o fator externo não é suficiente para nos causar raiva, então não podemos simplesmente culpar uma pessoa ou situação pela emoção que aparece para nós.

À medida que conseguimos olhar para a nossa raiva, um outro ponto que nos ajudará a lidar com ela é entender como expressamos esse sentimento. Isso porque cada pessoa é única, e por isso lida e expõe suas emoções de maneira diferente. Expressar a raiva de maneira muito agressiva, seja através de palavras ou ações, pode ser prejudicial para nós e para nossas relações. Assim como não conseguir expressar esse sentimento, suprimindo-o, pode gerar outras consequências, muitas vezes problemáticas. Ou seja, é preciso encontrar uma maneira adequada de expressar a raiva.

É compreensível que não seja tão fácil ou simples lidar com a raiva, considerando as sensações intensas que temos ao sentir essa emoção. Porém, se conseguimos analisar a maneira como temos nos comportado diante de fatores que nos causam raiva, e ainda como lidamos com ela, podemos refletir e encontrar novas possibilidades de atuação. Por exemplo, se sentimos raiva diante de uma situação onde fomos desrespeitados, podemos buscar agir de uma maneira assertiva, impondo nossos limites, sem precisar agredir ou desrespeitar outras pessoas, mas expressando nosso sentimento e não o ignorando.

O sentimento de raiva pode estar nos apontando uma situação de injustiça, e se conseguimos compreender isso, podemos pensar em ações para responder a essas situações. Ou seja, essa emoção pode ser o incentivo que vai nos mover a promover mudanças em torno daquilo que nos incomoda, ou que não concordamos.

Mas para isto, é preciso que entendamos de que maneira essa emoção nos afeta e qual sentido ela tem para nós, nos responsabilizando pelo sentimento que é nosso e nos abrindo para as diferentes possibilidades de lidar com ele.

Texto produzido pela psicóloga: Caroline Ribeiro

Referências:

  • Site: https://www.bbc.com/portuguese/geral-47971954
    https://ciencias.ulisboa.pt/sites/default/files/fcul/institucional/gapsi/Como_lidar_com_
    a_raiva.pdf
  • Site: https://www.vittude.com/blog/raiva/
Posted in

Mariza

Skip to content